Importância da Planificação da Aula

UNIVERSIDADE KATYAVALA BWILA
INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO
REPARTIÇÃO DE PEDAGOGIA

 

TRABALHO ACADÉMICO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO.

TEMA:

IMPORTÂNCIA DA PLANIFICAÇÃO DA AULA

GRUPO Nº 06

ELEMENTOS DO GRUPO

Angelino Francisco Ducuta …………………………………………………………………………………………..   75

Catarina Francisco Chilombo ……………………………………………………………………………………….. 19

Claudeth A. R. António ………………………………………………………………………………………………… 21

Juliana Eugénia Gomes ……………………………………………………………………………………………….. 45

Maria de Lourdes Moura  ……………………………………………………………………………………………. 55

Marise de Fátima R. Vascos …………………………………………………………………………………………. 60

O Docente

_________________

Msc. Franclin Bastos

Benguela/ 2015

INTRODUÇÃO

Embora a planificação e as decisões a tomar sobre a educação sejam processos exigentes que necessitam de uma compreensão e competências sofisticadas, os professores não têm que se sentir desorientados. A maioria das pessoas já planearam viajem que exigiram preparativos complicados. Já planearam horários escolares, fizeram lista de afazeres e sobreviveram a prazos impostos para os testes de períodos e exames finais.

A planificação no ensino pode ser um pouco mais complexas, mas as competências adquiridas podem servi-lhe de alicerce. A fundamentação lógica e a base de conhecimentos da planificação, particularmente o impacto da planificação na aprendizagem do aluno e o decorrer geral da vida da sala de aula, são aqui descritas tal como os processos que os professores experientes utilizam para planificar e tomar decisões. Inclui também uma explicação bastante detalhada  dos procedimentos específicos da planificação e uma série de técnicas utilizadas na planificação do ensino-aprendizagem.

O presente trabalho tem como problema cientifico: que importância tem o plano de aula dos alunos da segunda classe da escola do ensino primário 1059- Benguela.

Em função do tema elaborou-se as seguintes perguntas de investigação:

  • Que fundamentos teóricos dam suporte ao plano de aula dos alunos da segunda classe da escola do ensino primário 1059- Benguela.
  • O que caracteriza no presente o processo de ensino e aprendizagem na segunda classe do ensino primário 1059- Benguela.

Trouxe como objectivo geral: analisar a importância de um plano de aula dos, alunos da segunda classe da escola do ensino primário 1059- Benguela.

Temos como objectivos específicos fundamentar teoricamente a importância da planificação da aula dos alunos da segunda classe da escola do ensino primário 1059- Benguela.

Desenvolvimento

  • DEFINIÇÕES DOS TERMOS E CONCEITOS

. Planificação escolar: para Marques (1999:153), ” existem várias modalidades de planificação: A planificação não linear privilegia a selecção as actividades de ensino e aprendizagem, as quais se associam, depois, os objectivos para explicar o que aconteceu”.

A planificação prévia a instrução é realizada pelo professor antes da ocorrência do processo de instrução e privilegia a selecção dos objectivos, conteúdos, metodológicas e técnicas de avaliação.

A planificação racional – linear acentua, previamente, a definição dos objectivos e, de seguidas a selecção das estratégias e actividades necessárias para alcançar os objectivos previamente definidos.

A  planificação pode incluir sequência de longa duração ou de curta duração.

Como planificar é previr de antemão, os autores deste coincidem com a segunda exposto.

  • A Importância da Planificação e a Organização do Trabalho Escolar

Sempre          que se inicia um empreendimento mais ou menos complexo, tendo em vista alcançar determinadas metas, tornase importante fazer uma previsão da acção a ser realizada. Esta previsão servirá como vector  director que orienta a acção.

No que se refere ao domínio da educação, esta necessidade torna-se cada vez mais importante planificam-se os conteúdos a seleccionar ao longo de um ano lectivo, planificam-se as unidades temáticas, planificam-se as aulas, planificam-se as visitas de estudo, planificam-se as actividades diárias escolares, planificam-se as actividades do director de turma, planificam-se todas as actividades que devem ser realizadas pela escola.

Devido a natureza e acção a que se refere, cada planificação tem um momento próprio para ser realizada.

“Ao iniciar um ano lectivo, é importante que o gestor escolar, os coordenadores de cursos e de disciplinas e os professores tenham uma perspectivas abrangentes sobre o processo ensino-aprendizagem a desenvolver ao longo do ano, tanto no que diz respeito especificamente a sua disciplina como, de uma forma geral as acções das várias disciplinas consideradas como um todo na acção educativa” (Dalmas, 1994:96).

Para isso, antes do início das aulas a primeira preocupação do gestor escolar dos coordenadores de cursos e de disciplinas e dos professores devem consistir em delimitar globalmente as acções a serem empreendidas ao longo de todo ano escola, isto é, em elaborar a planificação a curto, médio e a longo prazo.

É necessário salientar que, o factor de se elaborar um plano é tão importante quanto é importante ser-se capaz de o pôr de lado. Uma aula deve acontecer a ser viva e dinâmica, onde a trama complexa de inter-realizações humanas a diversidade de interesse e características dos alunos não pretende ser um decalque do que está no papel.

Mas isto não significa de modo algum que se perca o fio condutor que existe numa planificação. Significa é que ela não pode ser regido, mas sim flexível ao ponto de permitir ao gestor inserir mudanças se for o caso de aos professores inserirem novos elementos, mudar de rumos, se exigirem as necessidades e/ou interesses do momentos. Isto leva a formular o seguinte.

Elementos a ter em conta na planificação e  organização de uma aula segundo Xavier e Zen (2000: 13)

Consiste na planificação de cada aula , onde se definem todos os pormenores essenciais a docência os seguintes:

  • Sumário;
  • Novos conceitos a ser leccionados, conceitos pré-requeridos, encadeamento adequado;
  • O objectivo que os alunos devem atingir;
  • Estratégias (ou a sua descrições);
  • Introdução mais apropriadas (exemplos do quotidianos, jogos, paralelismo com outros conteúdos, trabalho de grupos sugestão de actividades de conteúdos pré-requeridos);
  • Tipos de exercícios, grau crescente de dificuldades;
  • Desenhos que se devem representar e como os representar;
  • Materiais necessário a aula;
  • Linguagem específica a utilizar, observações pertinentes, momentos de questionamentos avaliação;
  • Tempo a distribuir pelas diversas tarefas;
  • Trabalho para casa;
  • Referências pedagógicas, entre outros.

Conclusão

Após de um longo período de pesquisa, o grupo chegou as seguintes conclusões:

Ao planificar a aula é importante ter em conta os factores que intervêm directamente no processo de ensino e aprendizagem.

O plano de aula é um instrumento de grande importância para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem.

O plano de aula, deve ser usado tanto para os professores principiantes quanto para os antigos.

O processo de ensino e aprendizagem da segunda classe, da escola 1059 é caracterizada por crianças com idade compreendida dos 7 aos 8 anos de idade.

Caracteriza-se também pela ilustração constante dos meios de ensino, e linguagem simples de fácil compreensão.

Bibliografia

ABBAGNANO, N. & VISALBENGHI, A. (1957).  História da pedagogia. Lisboa, Portugal: Gleba. Livros Horizontes.

ALENCAR, E. (2007). O papel da escola na estimulação do talento criativo. D. S. Fleith & E. M. L. S. (orgs.), desenvolvimento de talentos e altas habilidades orientação a pais e professores. (pp. 151-161). Porto Alegre: Artmed.

CAMPS, Anna; RIBAS, Teresa. (2000). La evolución del aprendizaje de la composición escrita en situacionescolar. Madrid, españa: CIDE/MECD.

CASALES, J. C. (1989). Psicologia social. Contribución a su estúdio. La Habana, cuba: editirial ciência sociales.

COALLZO,B. & PONTES, M. (1992)LA orientacion en la actividade pedagógica. Ciudad de la Habana, Cuba: editorial Pueblo y educacion.

CORDAVA, M. & MIJANS, Albertina. ( 1992). Estúdio preliminar sebre la interrelacion entre motivación, inteligência, criatividade y personalidad en jovenes estudiantes. revista cubana de  Psicologia. Lx(3). Madrid, España: santillana,

DOLORES, j. (1996) la educacion encierra un tesoro. Informe a la UNESCO de la comicion internacional sobre la educacion  para el siglo XXl.  Madrid, España: santillana, Ediciones, UNESCO.

DOCKRELL, Julie. & MCSHANE, John. (2000). Crianças com dificuldades de aprendizagem:  uma abordagem cognitiva.  Porto Alegre: artes médicas.

DURKHEIM,emile (1979). Educación y saciologia. Bogota, Colombia..: editorial linotipo, Andes.

ELLIS, Andrew W. (2000). Leitura, escrita e dislexia: uma análise cognitiva. Tradução de Dayse Batista. Porto alegre: artes médicas.

FERNÁNDEZ, González Ana Maria. (2002). Lugar que oucupa la comunicación en el estúdio de la personalidade. Psicologia para educadores. (p.266). la habana, cuba: editorial Pueblo y educación.

FREIRE, Paulo. (1996). Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. (25ª edição. Coleção leitura). São Paulo Brasil: paz e terra.

MORIN, Edgar (1998). Los setes saberes necesário para la educación del futuro. Barcelona, España: Editorial Paidos.

OJALVO, V. (1995) la educación como processo de interación y comunicación. La Habana, Cuba: universidade de la Habana. Cuba.

OLIVEIRA, Renato José de (2007) filosofia e educação – de Sócrates a Habermas. Educação e sociedade, Campinas, 28(98), 286-289.

ORTIZ, Torres E. (2001). La comunicación pedagógica. Argentina: Libro en Red.

POTTS, F. (1960). Psicoterapia de grupo eintroducción a la sociometria. La Habana, cuba: Imprenta Nacional de Cuba.

REY, Gonzáles Fernando. (1995)comunicación, personalidade y desarrollo. La Habana, Cuba: editorial Pueblo y educación.

SANCHEZ, Carrion, J. (1995). Manual de análises de datos. Madrid españa: alianza editorial.

STERNBERG, R. & LUBART, T. (1996). Creando mentes creativas. Revista universidad de Guadalajara.(5)

TEBEROSKY, Ana. (1996).Psicopedagogia da linguagem escrita tradução de Beatriz Cardoso. (8ªedição). Campinas, são Paulo: UNICAMP/VOZES.

UNESCO (2005a) . parte 4. Hacia la educación para todos a lo largo de toda la vida? La educación para todos a lo largo de toda la vida. Hacia las sociedades del conocimiento. Informe mundial de la UNESCO.

UNESCO. (2005b). parte 4, Hacia la educacion para todos a lo largo de toda la vida? «E- educación»: nuevas tecnologias y educacion a distancia. Hacia las sociedades del conocimento, informal mundial de la UNESCO. (pp.92-94).pares, Francia:editions UNESCO.

VIGOTSK, L. S. (1981). Pensamiento y lenguage. La abana, Cuba: editorial Pueblo y educación.

ZAYAS, Ávares C. (1989). Fundamentos teóricos de la Direción del processo docente educativo en la educación superior cubana. Ministério de educacion superior.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s